x3 DF-e – Busca automatica de NF-e

Com nossa solução de busca automatizada de NF-e, você não precisa mais digitar a chave das notas que você transporta ou as suas notas de despesa. O software x3 Transport realiza a busca automaticamente assim que a NF-e é emitida pelo embarcador ou pelo seu fornecedor, automatizando à emissão do CT-e e os lançamentos das entrada de suas despesas. Acesse www.x3transport.com.br e conheça essa e outras soluções para gestão de transporte e frotas

x3 Transport – Muito além do atendimento

Na x3 Transport além de um software completo para gestão de transportes e frotas você encontra atendimento diferenciado seja ele antes, durante ou após a implantação. Não nos limitamos apenas em implantar nossos softwares, prestamos consultoria e auxiliamos na melhoria dos processos, gerando padrões que facilitam a gestão da sua empresa. Mesmo após finalizar a implantação, nossa preocupação em gerar resultados continua.
Para saber mais e conhecer nossas soluções, acesse www.x3transport.com.br

CT-e – Novas regras de validação para data de emissão e subcontratação

A partir do dia 16/05/2018 entra em vigor novas regras de validação para data de emissão do CT-e, para os municípios do CT-e subcontratação e novas validações dos dados cadastrais das pessoas envolvidas na prestação.

Dentre todas as novas validações, destacamos as referentes a data de emissão do CT-e e as cidades de inicio e fim da prestação do serviço do CT-e Subcontratado.

  • Os CT-e informados em DocAnt (chCTe) devem possuir o mesmo
    código de município de início e fim de prestação do CT-e de subcontratação.

As cidades de inicio e fim do CT-e Subcontratado devem ser iguais as cidades do CT-e informado nos Documentos Anteriores.

Rejeição: Município de início e fim de prestação do CT-e de subcontratação devem ser iguais ao CT-e subcontratado.

  • Data-Hora de Emissão com atraso superior a 168 horas em relação ao horário de recepção na SEFAZ Autorizadora.

A Data de Emissão do CT-e não pode ser MAIOR que 7 dias (168 horas) em relação a data atual.

Rejeição: Data de emissão muito atrasada

Para verificar todas as novas validações, efetue o download da Nota Técnica 2018/001.

Carta de Correção de CT-e

Você sabe quais informações do CT-e pode corrigir?

A CC-e (Carta de Correção Eletrônica) do CT-e é utilizada para corrigir determinadas informações e diferentemente da CC-e da NF-e é necessário descrever exatamente quais os campos você deseja corrigir e caso você informe um campo que seja impedido de alteração, sua CC-e será rejeitada pela SEFAZ. Ela é disciplinada no Art. 58-B do CONVÊNIO/SINIEF 06/89.

Como CT-e possui centenas de campos, existe uma lista de quais campos são IMPEDIDOS de alteração.

Fizemos uma lista dos principais campos que NÃO podem ser corrigidos por CC-e.

  • Componentes de Valores (Valor Frete, Valor Pedágio, Imposto, etc)
  • Valor Total Prestação Serviço
  • Valor a Receber
  • Valor Base ICMS
  • Valor Alíquota ICMS
  • Valor ICMS
  • CST
  • Nº Chave das NF-es transportadas
  • Emitente/Tomador/Remetente/Destinatário (CNPJ/CPF, IE)
  • Serie/Número/Data Emissão/Modalidade do CT-e

Os demais campos podem ser corrigidos por CC-e, porem é preciso descrever exatamente qual campo será corrigido. A lista com todos os campos do CT-e e dos campos IMPEDIDOS de alteração esta disponível no Manual do CT-e 3.00.

Se for necessário corrigir mais de um campo é preciso incluir todos eles na mesma CC-e, pois a SEFAZ considera apenas a ultima CC-e emitida como valida. Portanto se deseja considerar as correções emitidas anteriormente é preciso repetir as informações na nova CC-e.

A emissão da CC-e cria um evento que é vinculado ao CT-e, ou seja, ele não altera especificamente o campo do XML original, ele apenas registra um evento e anexa ele a esse documento fiscal. Após a emissão da carta de correção o CT-e não poderá mais ser cancelado.

No sistema x3 Transport você pode emitir sua CC-e e enviar XML e PDF da correção automaticamente por e-mail.

 

Além da informação dos campos que pretende corrigir é preciso enviar no evento também o seguinte literal:

“A Carta de Correção é disciplinada pelo Art.
58-B do CONVÊNIO/SINIEF 06/89: Fica permitida a utilização de carta de correção, para regularização de erro ocorrido na emissão de documentos  fiscais relativos à prestação de serviço de transporte, desde que o erro não esteja relacionado com: I – as variáveis que determinam o valor do imposto
tais como: base de cálculo, alíquota, diferença de preço, quantidade, valor da
prestação;II – a correção de dados cadastrais que implique mudança do emitente, tomador, remetente ou do destinatário;III – a data de emissão ou de
saída.”

Novas placas entrarão em vigor em 1º setembro 2018 no Brasil

Após adiar duas vezes a medida, finalmente as novas placas entrarão em vigor em 1º de setembro de 2018 no Brasil. A partir dessa data os novos veículos devem utilizar o novo padrão Mercosul.  Demais veículos em uso têm até 31 de dezembro de 2023 para efetuar a troca.

Países como Argentina e Uruguai já aderiram novo modelo desde o ano passado.

Transportador, já esqueceu de emitir o MDF-e e foi multado pela fiscalização?

Diversas transportadoras já esqueceram de emitir o Manifesto e foram multadas pelo fisco!

A legislação sobre a obrigatoriedade é de acordo com o estado, mas a tendencia é a padronização e para evitar qualquer imprevisto, a emissão do MDF-e e o acompanhamento do documento no transporte se torna cada vez mais importante. Com a emissão do MDF-e o fisco pode acompanhar em tempo real as operações comerciais.

Precisa diminuir seus gastos e evitar multas?
Entre em contato com a x3 Transport e saiba como emitir seu MDF-e de forma simples e rápida com apenas alguns cliques.

CT-e Globalizado

Com a nova versão do CT-e 3.00 do CT-e muitas mudanças ocorreram na emissão do documento, entre elas esta a inclusão de um novo campo para indicar se o CT-e é Globalizado.

Nas prestações de serviço intermunicipais (onde UF Inicio é igual a UF Fim) que envolvam diversos remetentes ou destinatários, e um único tomador de serviço o Transportador poderá emitir apenas um CT-e Globalizado, referente a todas as prestações realizadas para este tomador, por veículo e por viagem, desde que esteja nas normas da Resolução/SEFAZ Nº 2.833, DE 18 DE ABRIL DE 2017.

I – o tomador do serviço seja o remetente ou o destinatário das mercadorias transportadas;
II – a carga contenha mercadorias de no mínimo cinco remetentes ou cinco destinatários;
III – as mercadorias transportadas estejam acobertadas por notas fiscais eletrônicas.

Exemplos:

  • Transportadora irá efetuar uma prestação de serviço intermunicipal onde o destinatário irá receber mercadorias de no mínimo 5 remetentes diferentes e o próprio destinatário será o tomador do serviço. Nesse caso o emissor poderá emitir um CT-e Globalizado, informando no campo remetente os próprios dados do emissor, exceto a razão social que deve ser “Diversos”.
  • Transportadora irá efetuar uma prestação de serviço intermunicipal onde o remetente enviará mercadorias de no mínimo 5 destinatários diferentes e o próprio remetente será o tomador do serviço. Nesse caso o emissor poderá emitir um CT-e Globalizado, informando no campo destinatário os próprios dados do emissor., exceto a razão social que deve ser “Diversos”.

Nos dois casos também é preciso informar que o CT-e é Globalizado e no campo “Observações Gerais”, a informação “Procedimento efetuado conforme Resolução/SEFAZ n. 2.833/2017”.

No sistema x3 Transport a opção CT-e Globalizado já esta disponível.

Abaixo segue algumas regras especificas no layout do CT-e 3.00 sobre CT-e Globalizado que podem ocasionar REJEIÇÃO.

– UF de início deve ser igual a UF de fim da prestação.

– Tomador do CT-e deve ser Remetente ou Destinatário.

– O número de remetentes (CNPJ diferentes) nas chaves de acesso das NFe transportadas deve ser superior ou igual a 5.

– O campo razão social do Remetente ou Destinatário deve ser informado com
a literal: “DIVERSOS”.

– O campo CNPJ do remetente ou destinatário deve ser informado com o CNPJ do emitente do CT-e.

– Se tomador for Remetente, todas NF-e transportadas devem ser do mesmo emitente.

Abaixo segue Resolução na integra sobre CT-e Globalizado.

Publicada no DOE nº 9.393, de 20.04.2017, p. 2.
O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FAZENDA, no exercício da competência que lhe confere o art. 4º do Decreto nº 9.203, de 18 de setembro de 1998,

R E S O L V E:

Art. 1° Nas prestações internas de serviços de transporte intermunicipal de mercadorias, que envolvam diversos remetentes ou destinatários, e um único tomador de serviço, localizados neste Estado, o transportador poderá emitir um único Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) referente a todas as prestações realizadas para este tomador, por veículo e por viagem, nos termos desta Resolução.

Parágrafo único. Na hipótese do disposto no caput deste artigo, a emissão de um único Conhecimento de Transporte Eletrônico é condicionada a que:

I – o tomador do serviço seja o remetente ou o destinatário das mercadorias transportadas;

II – a carga contenha mercadorias de no mínimo cinco remetentes ou cinco destinatários;

III – as mercadorias transportadas estejam acobertadas por notas fiscais eletrônicas.

Art. 2º O Conhecimento de Transporte Eletrônico de que trata esta Resolução deve conter, além dos demais requisitos estabelecidos na legislação, as seguintes informações:

I – tratando-se de prestação de serviço de transporte referente a um remetente (tomador) e diversos destinatários:

a) no grupo “Informações do remetente das mercadorias transportadas pelo CT-e”, os dados do remetente das mercadorias;

b) no grupo “Informações do destinatário do CT-e”:1. no campo “Razão Social ou Nome do Destinatário”, a expressão “DIVERSOS”;

2. nos demais campos, os dados do emitente do conhecimento de transporte eletrônico;

II – tratando-se de prestação de serviço de transporte referente a diversos remetentes e um destinatário (tomador):

a) no grupo “Informações do remetente das mercadorias transportadas pelo CT-e”:

1. no campo “Razão Social ou Nome do Emitente”, a expressão “DIVERSOS”;

2. nos demais campos, os dados do emitente do conhecimento de transporte eletrônico;

b) no grupo “Informações do destinatário do CT-e”, os dados do destinatário das mercadorias;

III – em todos os casos:

a) no campo “Tipo de CT-e”, o valor “0” (zero – CT-e Normal);

b) no campo “Tipo do Serviço do CT-e”, o valor “0” (zero – Normal);

c) no campo “Indicador de CT-e Globalizado”, o valor “1” (um – CT-e Globalizado);

d) no campo “Observações Gerais”, a informação “Procedimento efetuado conforme Resolução/SEFAZ n. 2.833/2017”;

e) no campo “Chave de Acesso da NF-e”, de múltipla ocorrência, do grupo “Informações da NF-e”, as chaves de acesso de todas as notas fiscais eletrônicas relativas aos produtos transportados.

Parágrafo único. O Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) de que trata esta Resolução deve ser emitido de acordo com os padrões técnicos estabelecidos no Manual de Orientação da Contribuinte versão 3.00 ou superior.

Art. 3° Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos desde 1º de abril de 2017.

Campo Grande, 18 de abril de 2017.MARCIO CAMPOS MONTEIRO

Secretário de Estado de Fazenda

MDF-e – Paraná

A partir do mês de fevereiro de 2018 os contribuinte do estado do Paraná devem iniciar a emissão de MDF-e também para operações internas, ou seja, para fretes que iniciem e finalizem dentro do estado do Paraná. A nova medida está valendo a partir do 1º dia fevereiro de 2018, segundo a Norma de Procedimento Fiscal N. 123/2017, publicado no DOE 10078 de 30/11/2017 disponível em www.sefanet.pr.gov.br .

Abaixo segue as datas referente as obrigatoriedades da utilização do MDF-e.

01/02/2018 – Transportadores emitentes de CT-e.

02/04/2018 – Emitentes de NF-e para transporte de bens próprios, não optantes pelo Simples Nacional.

01/06/2018 – Emitentes de NF-e para transporte de bens próprios, optantes pelo Simples Nacional.

Sistema x3 Transport emite sua MDF-e de forma automática a partir do CT-e ou NF-e e sem complicações.

CFOP Transporte – Você sabe qual deve utilizar?

Uma das rejeições mais recorrentes na emissão de CT-e é a de CFOP Inválida. Apesar de ser de fácil correção, essa rejeição atrapalha e gera retrabalho, pois na maioria das vezes não sabemos exatamente qual CFOP utilizar.

Desde o CT-e 2.00 as validações referente ao CFOP são relacionadas com as UF de Inicio e Fim prestação e a CFOP precisa fazer parte da lista de CFOP válidos, disponíveis nos Manuais do CT-e.

Vamos tentar entender como a receita valida a informação do CFOP de acordo com UF de Inicio e Fim prestação do serviço.

Regras para CT-e do Tipo Normal, Complementar ou Substituição.
1º Regra:
‘Se UF de início da prestação = UF de fim de prestação (e UF fim <> EX)
CFOP deve iniciar por 5’
Se a prestação de serviço ocorrer dentro do Brasil e iniciou e finalizou dentro do mesmo estado, a CFOP deve iniciar com o numero 5.

2º Regra:
‘Se UF de início da prestação <> UF de fim da prestação (e UF fim <> EX)
CFOP deve iniciar por 6’ Se a prestação do serviço ocorrer dentro do Brasil e iniciou em um estado e finalizou em outro estado diferente, a CFOP deve iniciar como numero 6.

3º Regra:
‘Se UF fim de prestação = EX, CFOP deve ser 7358. Se a prestação do serviço iniciar no Brasil e finalizar em outro país, a CFOP deve ser especificamente a 7358.

4º Regra:
‘Se UF do emitente for diferente da UF de início da prestação e UF de início e fim da prestação forem diferentes de EX. CFOP deve ser igual a 5932 ou 6932’ Se a prestação do serviço ocorrer dentro do Brasil e iniciar em um estado diferente do estado da filial que esta emitindo o CT-e, a CFOP deve ser 5932 ou 6932, lembrando que o primeiro digito deve ser conforme 1º e 2º regras.

Regras para CT-e de anulação de valores:
Se UF de início da prestação = UF de fim de prestação (ambas <> EX) CFOP deve ser 1206
Se UF de início da prestação <> UF de fim da prestação (ambas <> EX) CFOP deve ser 2206
Se UF de início ou fim de prestação = EX CFOP deve ser 3206

Mas e os demais números que compõe a CFOP?
Com exceção das Regras 3, 4 e da Anulação de Valores os demais números tem relação direta com o tomador do serviço e/ou a finalidade da emissão.
Ex:
5353 – 353 é quando tomador do serviço for estabelecimento comercial.
5352 – 352 é quando tomador do serviço for estabelecimento industrial.

No sistema x3 Transport você pode pré-configurar as CFOP e o sistema sugere automaticamente qual CFOP deve ser utilizada, evitando esse tipo de rejeição.

Abaixo segue relação completa de todos os CFOP válidos para emissão do CT-e.

1206 – Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte
Classificam-se neste código as anulações correspondentes a valores faturados
indevidamente, decorrentes de prestações de serviços de transporte.
2206 – Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte
Classificam-se neste código as anulações correspondentes a valores faturados
indevidamente, decorrentes de prestações de serviços de transporte.
3206 – Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte
Classificam-se neste código as anulações correspondentes a valores faturados
indevidamente, decorrentes de prestações de serviços de transporte.
5206 – Anulação de valor relativo a aquisição de serviço de transporte
Classificam-se neste código as anulações correspondentes a valores faturados
indevidamente, decorrentes das aquisições de serviços de transporte.
5351 – Prestação de serviço de transporte para execução de serviço da mesma natureza
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte destinados às
prestações de serviços da mesma natureza.
5352 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento industrial
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento
industrial. Também serão classificados neste código os serviços de transporte prestados a
estabelecimento industrial de cooperativa.
5353 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento comercial
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento
comercial. Também serão classificados neste código os serviços de transporte prestados a
estabelecimento comercial de cooperativa.
5354 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento de prestador de serviço de
comunicação
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento
prestador de serviços de comunicação.
5355 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento de geradora ou de distribuidora
de energia elétrica
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento de
geradora ou de distribuidora de energia elétrica.
5356 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento de produtor rural
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento de
produtor rural.
5357 – Prestação de serviço de transporte a não contribuinte
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a pessoas físicas ou a
pessoas jurídicas não indicadas nos códigos anteriores.
5359 – Prestação de serviço de transporte a contribuinte ou a não contribuinte quando a
mercadoria transportada está dispensada de emissão de nota fiscal.
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a contribuintes ou a não
contribuintes, exclusivamente quando não existe a obrigação legal de emissão de nota fiscal
para a mercadoria transportada.Conhecimento de Transporte Eletrônico
5360 – Prestação de serviço de transporte a contribuinte substituto em relação ao serviço de
transporte
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a contribuinte ao qual
tenha sido atribuída a condição de substituto tributário do imposto sobre a prestação dos
serviços.
5601 – Transferência de crédito de ICMS acumulado
Classificam-se neste código os lançamentos destinados ao registro da transferência de
créditos de ICMS para outras empresas.
5602 – Transferência de saldo credor de ICMS para outro estabelecimento da mesma
empresa, destinado à compensação de saldo devedor de ICMS
Classificam-se neste código os lançamentos destinados ao registro da transferência de
saldos credores de ICMS para outros estabelecimentos da mesma empresa, destinados à
compensação do saldo devedor do estabelecimento, inclusive no caso de apuração
centralizada do imposto.
5603 – Ressarcimento de ICMS retido por substituição tributária
Classificam-se neste código os lançamentos destinados ao registro de ressarcimento de
ICMS retido por substituição tributária a contribuinte substituído, efetuado pelo contribuinte
substituto, nas hipóteses previstas na legislação aplicável.
5605 – Transferência de saldo devedor de ICMS de outro estabelecimento da mesma
empresa.
Classificam-se neste código os lançamentos destinados ao registro da transferência de saldo
devedor de ICMS para outro estabelecimento da mesma empresa, para efetivação da
apuração centralizada do imposto.
5606 – Utilização de saldo credor de ICMS para extinção por compensação de débitos fiscais.
Classificam-se neste código os lançamentos destinados ao registro de utilização de saldo
credor de ICMS em conta gráfica para extinção por compensação de débitos fiscais
desvinculados de conta gráfica.
5932 – Prestação de serviço de transporte iniciada em unidade da Federação diversa
daquela onde inscrito o prestador
Classificam-se neste código as prestações de serviço de transporte que tenham sido iniciadas
em unidade da Federação diversa daquela onde o prestador está inscrito como contribuinte.
5949 – Outra saída de mercadoria ou prestação de serviço não especificado
Classificam-se neste código as outras saídas de mercadorias ou prestações de serviços que
não tenham sido especificados nos códigos anteriores.
6206 – Anulação de valor relativo a aquisição de serviço de transporte
Classificam-se neste código as anulações correspondentes a valores faturados
indevidamente, decorrentes das aquisições de serviços de transporte.
6351 – Prestação de serviço de transporte para execução de serviço da mesma natureza
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte destinados às
prestações de serviços da mesma natureza.
6352 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento industrial
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento
industrial. Também serão classificados neste código os serviços de transporte prestados a
estabelecimento industrial de cooperativa.
6353 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento comercial
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento
comercial. Também serão classificados neste código os serviços de transporte prestados a
estabelecimento comercial de cooperativa.Conhecimento de Transporte Eletrônico
6354 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento de prestador de serviço de
comunicação
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento
prestador de serviços de comunicação.
6355 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento de geradora ou de distribuidora
de energia elétrica
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento de
geradora ou de distribuidora de energia elétrica.
6356 – Prestação de serviço de transporte a estabelecimento de produtor rural
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a estabelecimento de
produtor rural.
6357 – Prestação de serviço de transporte a não contribuinte
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a pessoas físicas ou a
pessoas jurídicas não indicadas nos códigos anteriores.
6359 – Prestação de serviço de transporte a contribuinte ou a não contribuinte quando a
mercadoria transportada está dispensada de emissão de nota fiscal.
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a contribuintes ou a não
contribuintes, exclusivamente quando não existe a obrigação legal de emissão de nota fiscal
para a mercadoria transportada.
6360 – Prestação de serviço de transporte a contribuinte substituto em relação ao serviço de
transporte.
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte a contribuinte ao qual
tenha sido atribuída a condição de substituto tributário do imposto sobre a prestação dos
serviços.
6603 – Ressarcimento de ICMS retido por substituição tributária
Classificam-se neste código os lançamentos destinados ao registro de ressarcimento de
ICMS retido por substituição tributária a contribuinte substituído, efetuado pelo contribuinte
substituto, nas hipóteses previstas na legislação aplicável.
6932 – Prestação de serviço de transporte iniciada em unidade da Federação diversa
daquela onde inscrito o prestador
Classificam-se neste código as prestações de serviço de transporte que tenham sido iniciadas
em unidade da Federação diversa daquela onde o prestador está inscrito como contribuinte.
6949 – Outra saída de mercadoria ou prestação de serviço não especificado
Classificam-se neste código as outras saídas de mercadorias ou prestações de serviços que
não tenham sido especificados nos códigos anteriores.
7206 – Anulação de valor relativo a aquisição de serviço de transporte
Classificam-se neste código as anulações correspondentes a valores faturados
indevidamente, decorrentes das aquisições de serviços de transporte.
7358 – Prestação de serviço de transporte
Classificam-se neste código as prestações de serviços de transporte destinado a
estabelecimento no exterior.
7949 – Outra saída de mercadoria ou prestação de serviço não especificado
Classificam-se neste código as outras saídas de mercadorias ou prestações de serviços que
não tenham sido especificados nos códigos anteriores.