MDF-e Obrigatório em Goiás

A partir deste mês de dezembro, os contribuintes em Goiás devem emitir o Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) nas operações internas que envolvam o transporte de bens ou mercadorias em veículos próprios, arrendados ou contratados. Nas operações interestaduais, o documento já era obrigatório. A medida está valendo desde o dia 1º de dezembro, com a publicação, no Diário Oficial do Estado (DOE), do Decreto nº 9.095/2017.

“A novidade agora é que nas operações internas, quando o contribuinte emitir CT-e e NF-e, o manifesto de carga é obrigatório. O MDF-e agrupa diversas informações fiscais, contendo até mesmo a placa o veículo, o que possibilita o controle da fiscalização em tempo real”, comenta Luciano Pessoa, gerente de arrecadação e fiscalização da Sefaz. O MDF-e simplifica obrigações acessórias e agiliza o registro em lote de documentos fiscais em trânsito. Identifica a unidade de carga utilizada e demais características do transporte.

O manifesto deve ser emitido por empresas prestadoras de serviço de transporte para prestações com mais de um conhecimento de transporte (CT-e) ou pelas demais empresas nas operações, cujo transporte seja realizado em veículos próprios, arrendados, ou mediante contratação de transportador autônomo de cargas com mais de uma nota fiscal.

Comunicação Setorial- Sefaz

fonte: http://www.goiasagora.go.gov.br/

DACTE 3.00 – Mudanças na Impressão

O novo CT-e 3.00 impactou também a impressão do documento auxiliar DACTE, conforme Nota Técnica 2016.002. 

Dentre as principais mudanças estão a adição dos novos campos do CT-e Globalizado e a retirada das informações do seguro, placas e motoristas.

Abaixo segue principais alterações no DACTE do CT-e 3.00.

Informações do cabeçalho

Como era:

Como ficou:

informações Medidas e Seguro

Como era:

Como ficou:

informações Transporte Rodoviário

Como era:

Como ficou:

CT-e 3.00

O que mudou para modal Rodoviário?

A partir do dia 04/12/2017 a versão 2.00 será desativada e o uso da versão 3.00 do CT-e será obrigatório.

Mas quais são as mudanças que realmente importam para modal Rodoviário?

A principal mudança está na exclusão das informações do transporte,
dados como as placas dos veículos, proprietários, motoristas, seguros,
vale pedágios e lacres foram retirados e alguns deles inseridos no MDF-e 3.00.

Foi adicionado o campo “Indicador CT-e Globalizado”. O CT-e Globalizado serve para emitir Conhecimento de Frete de mesmo UF Inicio e Fim em que as NF-es não possuam o mesmo Remetente ou o mesmo Destinatário, com algumas regras especificas como quantidade de NF-es que acobertam o frete.

Outra novidade é a inclusão do documento chamado CT-e – OS (modelo 67) que será utilizado para transporte de pessoas, valores e excesso de bagagem que visa substituir o modelo NFST.

Além dessas modificações, foram adicionados novas validações de informações, podendo ocasionar rejeições

O sistema x3 Transport já está preparado para nova versão 3.00.